A DOUTRINA DA BÍBLIA.

O autor dessas páginas propõe, da maneira mais breve e simples de que é capaz, apresentar os principais argumentos escriturísticos em favor da doutrina da Salvação Universal. Ele não tentará esgotar o assunto, nem se esforçará para explicar o que é chamado de “As passagens difíceis”, isto é, aquelas que supostamente ensinam na  universidade da bíblia. Remanejando essa tarefa – uma perfeitamente fácil – para outro volume, um companheiro apropriado para isso, ele tentará apenas, nessas páginas, apresentar as considerações proeminentes contidas na Bíblia em apoio à redenção final de todas as almas. Nesta importante tarefa, ele invoca a bênção do Deus Todo-Poderoso; orando que qualquer palavra contida aqui, que seja falsa, possa perecer, infrutífera, verdade e justiça no mundo.

O primeiro pensamento que surpreende a mente quando as Escrituras são consultadas sobre esta grande questão, por alguém que tomou por certo que eles ensinam tortura sem fim, para qualquer parte da família humana.

O SILÊNCIO DE DEUS

O Pai Todo Poderoso da família humana não falharia, no começo da história humana, em anunciar aos seus filhos a penalidade do pecado. Esconder tal desgraça como a do tormento sem fim de qualquer um seria cruel traição em relação àqueles que ele havia criado, e que teria o direito de conhecer todas as conseqüências da desobediência. E, no entanto, apenas conseqüências limitadas – punições temporais – foram ameaçadas no anúncio da lei a Adão, ou quando a penalidade de seu Pecado foi mencionada, na história dos primeiros transgressores. Se o castigo sem fim fosse verdadeiro, seria declarado como a penalidade ameaçada do pecado original.